Subscribe to RSS Feed

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Vá brincar

- Vai filho, ela está te chamando, vai brincar com ela
- Seja educado, como o pai sempre te ensinou e não joga a bola forte

(Como ela é bonita, parece até filha da professora)
(Será mesmo que ela vai querer jogar comigo
?)
(Como ele é bobo)
(Olha este sorriso, de orelha a orelha,
parece que nunca conversou com uma menina antes)
(Sempre fui assim, transparente, até demais)

(Vou deixar ela ganhar desta vez, pra não ficar brava comigo)
(Mas, se eu deixar, será que ela vai perceber?)
(Talvez ela fique mais brava ainda. Droga!)

- Calma filho, o pai vai buscar a bola para vocês, fiquem aqui.
(Se na minha época percebesse o quão ruim era ser transparente...)
(Talvez, hoje, estivesse mais completo, não é? )
- Aqui filho, deixa eu pai te contar um segredo, apenas brinque com ela...
- Já percebi este teu sorriso, não seja tão bobão.

- Ahh pai, nada ver. Só achei ela bonita.
(Droga! Como ele sabe?)

(Será que é de família falar com os gestos?)
(Ele demonstra mais gesticulando, sorrindo e olhando do que se ficasse horas se declarando)
(Ou será que eu estou vendo algo que não existe? Afinal, ele é só uma criança)

(Vou dizer que ela joga bem, melhor do que eu)
(Não, não... Vou dizer que ela é a pessoa
mais legal que já jogou comigo)
(Ah, vou só perguntar se amanhã ela vem aqui também...)

(Mudou o olhar. O que deve ter acontecido?)
(Mais uma decepção?)
- O que foi filho?

- Ela disse que não queria mais brincar
- Não sei por quê
- E disse que também não virá amanhã

- E por que você está chateado?
- Tem tanta criança para brincar aqui...

(Droga, vou ter que falar.)
- Foi por que achei ela bonita.
- A menina mais bonita que já vi até hoje, pai.

(E agora, eu fico triste junto ou dou uma de pai durão?)
- Filho, ela só queria brincar. Tem tantas meninas por ai, não se preocupe.

- Cada dia eu vou ter que brincar com uma menina diferente?
- Não é justo.
- Eu sempre faço de conta que estou perdendo
pra elas ficarem felizes.

- Talvez este seja o problema, filho.
- Você tem que brincar de verdade,
não ficar querendo agradar.

- Mas eu não faço de propósito, só quero ser gentil.
- Igual a mãe ensinou.

- Você tem que ser gentil com todo mundo, está certo.
- Mas, não espere que sejam assim com você.

- Por que não?


(Poisé, por que não?)
- Por que é assim que funciona.
(Ele está certo. Mas, afinal de contas, por quê?)

- Ai, não entendo isso
- Pai, vou no balanço, não quero mais falar


(Teimoso, só podia ser taurino)
(Mais parecidos do que eu imaginava)
(Até nossa roupa, hoje, está igual)

(Ele não entende)

(Ele não entende)

(Talvez daqui alguns anos)

(Talvez se tivesse a minha idade)

(Gostaria de ter esta ingenuidade novamente)

(Queria ser mais velho)



(Só não queria...)
(Estar neste parque sozinho)

1 comentários:

Sidney Azevedo disse...

Brilhante.

Postar um comentário